Artigo disponível para pesquisa e trabalho escolar - O efeito justiça e os equívocos da educação brasileira
 
 

 
Home    ARTIGOS                          
  Artigos
  Livro do Projeto
  Folhetos do Projeto
  Propostas do Projeto
O voto cristão
 

O efeito justiça e a Educação Brasileira
 

Denomino de efeito justiça os resultados da aplicação do princípio de justiça em atividades econômicas, esportivas, produtivas ou sociais. Observe que no futebol o Brasil é bem-sucedido porque o princípio de justiça é plenamente respeitado. Nesse esporte existe um considerável nivelamento de aprendizagem entre todos os cidadãos. A igualdade de oportunidade é satisfeita porque, o futebol, é um esporte que não requer formação especial nem equipamentos caros para ser praticado. Basta um terreno vazio e uma meia velha (cheia de trapos) para qualquer criança aprender e exercitar o futebol. Portanto, havendo igualdade de oportunidade, entre todos (pobre e rico, “moderninho e caipira”), cria-se um nivelamento que permite aos craques natos, aos que nasceram com este dom, com este talento, a sobressaírem em relação aos demais e serem assim notados e conseqüentemente selecionados, inclusive, para aprimoramentos técnicos e posteriores especializações em clubes profissionais, por exemplo.

A descoberta, em tempo hábil, das pessoas potencialmente melhores entre toda uma população, seja no futebol ou em qualquer outra área, (como científica, social, tecnológica, administrativa etc.), é um processo automático que se torna prático e viável ao estabelecermos o nivelamento de oportunidades. Esta técnica, justa e simples, faz com que as pessoas de maior potencial, as que têm verdadeira vocação, se projetem naturalmente e produzam o melhor de si em benefício próprio e em benefício do país.

Em todas as áreas, não-esportivas, é a educação fundamental a responsável por promover o justo nivelamento de conhecimento básico entre toda a população. O nivelamento é uma precondição para que os verdadeiros craques: da ciência, da tecnologia, da liderança pública, da diplomacia, do ensino e da justiça, possam descobrir a si mesmos e percorrer o caminho mais adequado às suas aptidões profissionais. Precisamos tornar a nação mais eficiente (com pessoas certas nos lugares certos) em todas as áreas de atuação da sociedade e não só no futebol.

Este efeito, benéfico e construtivo, conseqüente da aplicação do princípio de justiça está plenamente de acordo com um dos ensinamentos mais elementares de Jesus Cristo, onde Ele diz que basta temer a Deus, respeitando as diretrizes da criação e agindo de forma justa, e tudo o mais se processará de forma bem-sucedida.

A Educação Brasileira tem que se preocupar em encontrar os gênios naturais em vez de tentar “fabricá-los” a partir de estudantes economicamente favorecidos. As autoridades precisam entender que é inútil lapidar pedras comuns tentando transformá-las em pedras preciosas. A lapidação dá excelentes resultados desde que, a pedra, já seja preciosa no seu estado bruto. É antieconômico e antiprodutivo especializar quem não é naturalmente especial visando transformá-los em esteios da sociedade. Praticar a verdadeira justiça, nivelando a educação funda­mental de norte a sul do Brasil, é o primeiro passo para encontrar as pessoas potencialmente preciosas e especiais que estão espalhadas pelos canaviais, pelos interiores agrícolas, ruas das metrópoles, periferias, favelas, famílias humildes, etc...
 

   Artigos Valvim
   Raiz dos problemas
   Capitalismo e ética..
   Socialismo católico
   Sistema Socialista
   Educação Brasil I
   Educação Brasil II
   Propriedade privada
 
   Artigos Campos
   Comunismo brutal
   Brasil e Rússia
   Reforma política
   Estado predador
   Direito e liberdade
   Reforma eleitoral
   Defesa globalização
   Crítica ao Marxismo
   Esquerda e Direita
 

Uma análise da origem social dos jogadores da seleção pode nos fornecer um percentual, aproximado, de onde encontrar as pessoas potencialmente fenomenais dentro da nossa sociedade. Se nivelarmos o ensino, elas sobressairão e poderemos prepará-las para a condução e administração das diversas atividades do país. Precisamos semear justiça, entre todos os estudantes (sejam pobres ou sejam ricos), para colhermos eficiência e prosperidade.

Na década de 90, cada escola ensinava apenas o que queria, como queria e quando queria aos alunos de Ensino Médio e Fundamental. Essa liberdade, das escolas e dos professores, anulava a igualdade de oportunidade e gerava disparidades absurdas de escola para escola e de região para região. Por isso, é imprescindível que o Governo Federal reúna os professores e estipule um programa único para todas as escolas de ensino fundamental. O país precisa estabelecer rígida igualdade de oportunidade entre todas as crianças e adolescentes brasileiros. Para isso, é necessário que o conteúdo curricular seja o mesmo, que a didática seja a mesma, que o processo de avaliação seja o mesmo e que a qualidade dos professores também seja semelhante. De fato, conceder liberdades é a melhor solução em várias questões sociais. Mas, nesse caso específico, estabelecer rígida igualdade de ensino é a mais justa das soluções.

O governo federal precisa transferir o ensino superior para os estados e municípios e assumir a responsabilidade do ensino médio e fundamental. O governo poderia, inclusive, estender o ensino fundamental de oito para dez anos (dividindo-o em Primário e Ginásio novamente, de modo a separar crianças de adolescentes). Observe que o atual Ensino Médio é um degrau desnecessário e poderia ser desmembrado, mas sem perda de conteúdo para os alunos. Uma parte do seu conteúdo poderia ficar no ensino fundamental e a outra parte no ensino profissionalizante. Desta forma apenas os ensinos de caráter profissionalizantes dariam seqüência ao ensino fundamental e ficariam a cargo dos Municípios, Estados e iniciativa privada. Com esta modificação, garantiríamos o nivelamento da formação básica em todo o país. E, certamente, descobriríamos os gênios em potencial que até a década de 90 nasciam e morriam na inutilidade ou na marginalidade por falta de formação adequada e nivelada.

 

Valvim M Dutra
Autor do Livro Renasce Brasil.

Veja também:
 
Proposta de reforma da Educação
 
Causas da violência

Compartilhar esta página

 

 
 

 
|  Home  |  Detalhes  |  Livro  |  Quem Somos  |  Problemas Brasileiros  |  Capitalismo Protestante  |  Educação Brasileira  |  
 
 
|  Desemprego  |  Violência  |  Justiça  |  Drogas  |  Capitalismo  |  Inflação  |  Liberdade  |  Censura  |  Feminismo  |  Democracia  |  
 
 
|  Religião  |  Evolucionismo?...  |  Pai Nosso  |  O que é Amor  |  Concorrência  |  Paganismo  |  Aposentadoria  |  Protestantes  |  
 
 
 
Copyright - A republicação dos artigos deste site é permitida desde que citada a fonte com um link para a página original.
 
 
Você está no Site do Projeto Renasce Brasil. Seja bem-vindo!